Band: 15 medalhas na Olimpíada Brasileira de Química Júnior

Descobrindo o mundo das Ciências, alunos do 9.o ano do Ensino Fundamental conquistaram 15 medalhas na Olimpíada Brasileira de Química Júnior, organizada pela Universidade Federal do Ceará. Cerca de 52 alunos do Colégio participaram da competição que reúne estudantes de todo o país.

Motivados, os alunos que se interessaram em participar da Olimpíada puderam ter aulas preparatórias durante todo o ano para a competição. Estas foram ministradas pela professora de Laboratório de Química, Maria Elisa Bombonato, que também acompanhou os alunos durante as duas fases da Olimpíada.

Com a participação tanto nas aulas quanto na competição, os alunos puderam adentrar cada vez mais no mundo das investigações científicas. “Além do conteúdo da Olimpíada, as aulas tinham grande envolvimento entre alunos e professora, conseguimos nos concentrar e absorver o que aprendíamos. As aulas me levaram a ter mais interesse na matéria e até considerar fazer Engenharia Química no futuro”, comentou o aluno Gabriel Della Piazza, do 9.o ano do Ensino Fundamental.

Todo o esforço e dedicação demonstrados pelos alunos provaram, além de conhecimentos acadêmicos, também a capacidade que cada um tem para superar os próprios desafios. “São todos vitoriosos. Aprenderam que se você se esforçar e acreditar em você mesmo é possível chegar lá. Para a educação, esse aprendizado é muito importante, é algo que fica”, destacou a professora Maria Elisa.

“Definitivamente o que mais aprendi foi a ter persistência. Em alguns momentos pode parecer cansativo, mas, no final, perceber todo o conhecimento que você adquiriu ao longo desse período vale a pena”, contou Gabriel.

Para fechar com chave de ouro, a premiação dos alunos ocorreu durante o Café com Talento onde os estudantes puderam ser prestigiados por todos os professores da escola.

Confira a lista dos medalhistas:

Medalha de Bronze
Breno Seneor Barbosa de Mello
Larissa Domeneck Nissan
Luisa Venancio Heilmann
Mateus de Faria Baptista

Medalha Honra ao Mérito
Aya Sophia Sato Chubaci
Eduardo Taubert Ferraro
Fernando Araujo Haddad
Júlia Gracio Ferreira Sartor
Kaike Prates
Laura Aluotto de Oliveira
Mariana Naomi Anraku
Natália Fiusa Riguetti
Nicole Tosaki Tang
Tarcísio Ferraz Gallucci
Xin Yan Zhou

Três Olimpíadas, muitas medalhas

Garantindo mais de dez medalhas em provas onde conhecimentos interdisciplinares foram testados, alunos do Band participaram das Olimpíadas Brasileiras de Astronomia, Robótica e Informática. Todo o processo foi acompanhado de perto pelo Coordenador de Tecnologia Educacional, Mário Abbondati.

alunos do Ensino Fundamental

alunos do Ensino Fundamental

De acordo com os conhecimentos ligados a cada idade, os alunos da 3.a série do Ensino Médio foram convidados a participar das Olimpíadas de Astronomia e Robótica – na modalidade teórica. Enquanto a Olimpíada de Informática foi oferecida a aos 7.o, 8.o e 9.o anos do Ensino Fundamental. Os convites foram feitos a partir do interesse dos próprios alunos em participar das competições.

alunos do Ensino Médio

alunos do Ensino Médio

Para as Olimpíadas de Astronomia e Robótica, os alunos participantes tiveram de lidar com problemas interdisciplinares em que conceitos – desde Física até Língua Inglesa – foram abordados. Sem nenhuma formação específica, dos dez participantes, nove conquistaram medalhas. “O Band fornece uma formação abrangente onde o aluno consegue aplicar seus conhecimentos em diferentes áreas”, comentou Mário.

“É divertido usar o que aprendi na aula para outros usos. Além disso, as Olimpíadas ajudam a desenvolver o pensamento crítico para o futuro”, disse o aluno da 3.a série do Ensino Médio, João Shida, que garantiu uma medalha de ouro na Olimpíada de Astronomia e uma de prata na de Robótica.

Já os alunos do Ensino Fundamental resolveram uma série de problemas envolvendo lógica na Olimpíada Brasileira de Informática, na qual o Band marca presença desde 2007. São mais de 30.000 estudantes competindo em todo o Brasil e, entre os 27 participantes do Colégio, quatro alunos obtiveram medalhas.

“As Olimpíadas estimulam habilidades importantes para o futuro como a resolução de problemas, concentração, organização e o raciocínio lógico. Os alunos são brilhantes, me deixaram muito orgulhoso e satisfeito”, concluiu Mário.

Confira a lista de medalhas:

Olimpíada de Astronomia
Ouro – Bruno Vitório Rigo
Ouro – Gabriel Barbosa Paganini
Ouro – João Francisco Shida
Prata – Celina Huey Oshiro
Prata – Juliana Blassioli Suyama

Olimpíada de Robótica
Prata – João Francisco Shida
Prata – Gabriel Barbosa Paganini
Prata – André Hatushikano
Bronze – Bruno Vitório Rigo

Olimpíada de Informática
Ouro – Guilherme Tokio Kawahara
Ouro – Bruno Cortez Veloso
Bronze – Thomas Schiller
Bronze – Tomer Lederman Bookobza

Torneio de Arduino: aprendendo sobre programação

Foi a convite da INATEL (Instituto Nacional de Telecomunicações) que se deu um torneio de Arduino no Colégio com alunos do 9.o ano do Ensino Fundamental e 1.a série do Ensino Médio. Mais de 24 alunos participaram de um curso que antecedeu a competição e foi ministrado pelo Professor de Física e STEAM, Renato Villar, e pelo técnico de STEAM, Luiz Ponce. O Arduino é uma popular placa com um micro controlador que permitem programação com ajuda de um computador.IMG_1015

A INATEL proporcionou vídeo aulas e apostilas nas quais o professor Renato e o técnico Luiz se basearam para preparar oito aulas com os conceitos básicos de programação. Para o processo de aprendizado, o Arduino representa um instrumento de fácil acesso com o qual os alunos poderiam aprender diversos conceitos de programação já que o microprocessador, depois de programado e conectado a um computador, pode ser usado para controlar, por exemplo, robôs.

IMG_1077

Além disso, as aulas aconteceram com o método PBL (Problem Based Learning): os alunos, com a ajuda dos professores, aprenderam na prática a solucionar os problemas que encontravam pela frente e, assim, compreender melhor as ferramentas usadas na programação.

IMG_1087

Para o torneio, a INATEL trouxe uma pista onde os alunos, divididos em oito grupos, deveriam cumprir oito desafios movendo um carrinho. A cada tarefa, o nível ia crescendo e, para passar para a fase seguinte, era necessário que um juiz da INATEL validasse o trabalho realizado pelos alunos. “Com certeza a maior lição foi trabalho em equipe, este é muito importante na competição”, disse o aluno do 1.o ano do Ensino Médio, Gabriel Barbosa. “Vi os alunos muito envolvidos e interessados. Apesar de serem de diferentes idades, competiram de igual para igual”, comentou Luiz Ponce.

IMG_1028

“Faz total diferença para os alunos aprender programação  ainda na escola e é nessa direção que o Band está caminhando”, acredita o professor Renato.

IMG_1116

A equipe vencedora, composta por Dante de Fiori, Luis Zucchi e Gabriel Barbosa, da 1.a série do Ensino Médio, terá a oportunidade de participar de uma competição com outras escolas no dia 27 de outubro.

Canguru de Matemática: 39 medalhas para nossos estudantes

Para muitos a Matemática é uma disciplina abstrata, focada em números e contas. Mas para participar da Canguru de Matemática, é preciso que os alunos pensem além das equações. Essa missão foi cumprida com sucesso pelos alunos do Band que conquistaram 39 medalhas na Olimpíada internacional realizada com estudantes de 56 países.

canguru1

A Canguru de Matemática consiste na aplicação de uma prova – nivelada para cada série e ano do Ensino Médio e Fundamental – com questões que envolvem a Matemática e o cotidiano, estimulando a curiosidade dos estudantes e reflexão sobre situações de suas vidas. Esse é um dos motivos pelos quais a competição tem crescido entre os interesses dos alunos do Band: houve um aumento de 20% entre os alunos que participaram em 2016 e em 2017.

canguru2

Para a classificação há notas de corte que garantem medalhas de ouro, prata e bronze. Dos 84 alunos do Band que participaram foram 12 de ouro, 11 de prata e 16 de bronze. Não há curso específico no Band que prepare os alunos para a prova – o conhecimento e habilidades são adquiridos no currículo regular.

canguru3

“É uma alegria ver os alunos participando da Canguru de Matemática. Nosso grande objetivo é que, como o contexto das questões é motivador, os alunos se interessem pela Matemática. Não há receita para os problemas, eles devem resolver os exercícios a partir de suas próprias vivências”, contou o Coordenador de Matemática, Carlos Oliveira.

Medalhas na Química

Há 16 anos, para participar da Olimpíada Paulista de Química, o Band reúne alunos com algo em comum: o amor pela Química. Todos os anos, alunos participam da Olimpíada de Química para a qual há um curso preparatório durante a 2.a série. Esse ano foram garantidas três medalhas.

olimp_quimica_2017

alunos Pietro de Camargo, Pedro Anequini, Fábio Siqueira (professor), Celina Huey e Lilian Siqueira (professora)

A primeira fase da Olimpíada contou com a participação de alunos de cerca de 2.000 escolas do Estado de São Paulo. O objetivo: uma redação sobre as olimpíadas do Rio de Janeiro. Nela os alunos puderam provar que as reações químicas ultrapassam os limites das ciências exatas e estão presentes no cotidiano.  Já a segunda fase colocou a prova conhecimentos e habilidades. Estudantes de cerca de 50 escolas foram ao Instituto de Química da USP onde resolveram uma prova de alto nível de dificuldade baseada na observação de um experimento realizado por professores do instituto.

O resultado saiu no dia da prova e, dos quatro alunos do Band que participaram da Olimpíada, três conquistaram medalha. Pietro de Camargo Palma, da 3.a série, conquistou uma de prata e Celina Huey Oshiro, da 3.a série, e Pedro Anequini Nogueira, da 2.a série, garantiram duas de bronze.

Esses resultados foram conquistados com muito trabalho: todos os alunos que foram a Olimpíada participaram, durante a 2.a série do Ensino Médio, do curso preparatório para a competição junto aos professores Fábio e Lílian Siqueira. “A parte mais gratificante desse trabalho é ver como eles gostam de participar do curso. É extracurricular e não vale nota mas, mesmo assim, todos sempre marcam presença e recebemos cada vez mais alunos interessados”, disse o professor Fábio Siqueira.

“A experiência, desde ir até o Instituto de Química da USP até fazer a prova, foi muito empolgante, afinal eu adoro Química. Fazer a prova é muito interessante, porque tem exercícios nos quais você realmente precisa pensar”, destacou Pietro de Camargo Palma.

As medalhas conquistadas garantem, para cada aluno, uma vaga na Olimpíada Brasileira de Química.

Aluno é destaque internacional no Xadrez

Nicholas Takano, do 8.o ano, atual vice-campeão brasileiro e campeão paulista de xadrez, ficou em décimo lugar no XIII Festival Sudamericano de La Juventud em Santiago, no Chile.

xadrez1

aluno Nicholas e o técnico Álvaro

O campeonato contou com 85 enxadristas sul-americanos abaixo de doze anos. “Mais uma vez, o resultado do Nicholas foi estupendo. É um menino extremamente esforçado e merecedor das conquistas que coleciona”, exaltou o Técnico de Xadrez do Band, Álvaro Aranha Filho.

xadrez2

xadrez3Além disso, Álvaro, ex-técnico da seleção brasileira de xadrez em três Olimpíadas, atribuiu a tradição e o alto nível da equipe de xadrez do Colégio ao apoio que este curso extracurricular recebe.

“Vale ressaltar que o xadrez pode ser um facilitador ao ingresso do aluno em renomadas universidades do exterior. Portanto, é muito gratificante poder auxiliar os alunos e o colégio nesta tendência de internacionalização. ”, finalizou o professor de xadrez.

Olimpíadas de Química e Ciências premiam vinte e nove alunos

Vinte alunos do 9.o ano receberam premiação na Olimpíada Brasileira de Química Junior 2016.  Já na de Ciências, foram nove premiados.

“Para mim, o mais importante da Olimpíada de Química é o processo que os alunos passam ao longo do ano, desde a época da inscrição para a competição. Algumas salas acabam se tornando verdadeiras ‘salas olímpicas’, o que é muito importante para eles perceberem, cada vez mais, o quanto são capazes de fazer”, explicou a professora de Laboratório de Química, Lílian Sequeira.

img_0951

A Olimpíada de Química tem duas fases. A primeira foi realizada no Band. Já a fase final, os alunos foram ao Instituto de Química da USP, acompanhados das professoras Isabela Bombonato e Lílian Sequeira.

“Esta Olimpíada é contemplada, em sua grande maioria, nas nossas aulas de Laboratório de Química do 9.o ano. Os demais professores envolvidos são o Fábio Siqueira e a Bete Rosa, coordenadora do laboratório”, lembrou a professora.

Neste ano, o Bandeirantes também participou da Olimpíada Nacional de Ciências, que teve sua primeira edição. A Olimpíada abrangeu assuntos de Química e Física.

Entre Menções Honrosas e medalhas (de prata e bronze), nove alunos do Band foram premiados.

“Ver o quanto um aluno progride no estudo e principalmente na autoconfiança quando ele se prepara para uma competição destas é fantástico. Muitos deles começam a ajudar outros colegas que ainda não estudaram determinados assunto ”, finalizou a professora de Laboratório de Química, Lílian.

Alunos para o certificado da Olimpíada de Química Júnior 2016

  Aluno Premiação
1 Helena Frudit Medalha de bronze
2 Débora Baruque Angelini Medalha de bronze
3 Julia Zucchi Natour Medalha de bronze
4 Guilherme Silva Pontes Medalha de bronze
5 Vitória Murakami Olyntho Medalha de bronze
6 Áurea Ha Kyung Kim Menção Honrosa
7 Gabriel Roberto Barbosa Menção Honrosa
8 Antônio Rodrigues Rigolino Menção Honrosa
9 Felipe Dong Yup Lee Menção Honrosa
10 Milena Miwa Oda Menção Honrosa
11 Isabela Fernandes Cornatione Menção Honrosa
12 Gabriela Ligabue Siepe Menção Honrosa
13 Leo Victor Kim Menção Honrosa
14 Beatriz Kopel Menção Honrosa
15 Isabella Alves Braun Menção Honrosa
16 Fernanda Gonçalves Oldani Menção Honrosa
17 Lucas Seiji Mandacarú Guerra Menção Honrosa
18 Rafaella Scaff Vallada Menção Honrosa
19 Raphael Harari Menção Honrosa
20 Eric Monaro Bianchini Menção Honrosa

 

Estudantes garantem quatro medalhas na Olimpíada de Robótica

Os alunos Luiz Eduardo Filho, Daniel Deutsch, Enzo Profili e Álvaro Neto, do Ensino Médio, conquistaram uma medalha de ouro, uma de prata e outras duas de bronze na Olimpíada Brasileira de Robótica de 2016.

alunos Luiz, Enzo e Daniel

Luiz, Enzo e Daniel

“Novamente, os alunos me surpreenderam, pois, mesmo sem realizar nenhum curso preparatório, os resultados foram mais que excelentes”, comentou o Coordenador de Tecnologia Educacional, Mário Abbondati.

É válido destacar o vasto conhecimento que é abordado neste exame teórico, uma vez que a olimpíada exige que o aluno relacione conceitos de física com interpretação de texto, Inglês e Biologia, por exemplo.

Estudantes conquistam medalhas na Olimpíada Brasileira de Informática

Os alunos Mariana Ogido, Luís Henrique Chiba e Lucas Guerra, do Ensino Fundamental II, conquistaram medalhas de ouro, prata e bronze na Olimpíada Brasileira de Informática de 2016 (OBI 2016).

obi_2016

Todos os alunos do Colégio foram convidados a participar desta prova que exigiu muito conhecimento e concentração dos candidatos. No Ensino Fundamental, os estudantes foram desafiados a resolver exercícios de probabilidade lógica. Já no do Ensino Médio, os discentes deveriam se preparar para um árduo teste de programação.

Fiquei bastante satisfeito com o resultado obtido pelos alunos, pois, não oferecemos mais nenhum tipo de curso preparatório para a OBI e, mesmo com problemas de lógica extremamente trabalhosos, os alunos conseguiram obter colocações notáveis entre os milhares de concorrentes”, finalizou o Coordenador de Tecnologia da Informação, Mario Abbondati.

Estudantes faturam cinco medalhas na Olimpíada de Astronomia

Os alunos Carlos Sampaio, Álvaro Neto, Gabriel Rodrigues, Enzo Profili e Luiz Araripe, do 3o ano, conquistaram quatro medalhas de ouro e uma de prata na Olimpíada Brasileira de Astronomia de 2016.

atronomia

“O incentivo do Band aos alunos para participar de Olimpíadas acadêmicas é muito bacana, pois, sabemos o valor que diplomas como este têm em universidades do exterior. “, comentou o medalhista de ouro, Enzo Profili.

A Olimpíada Brasileira de Astronomia foi realizada pela primeira vez neste ano. A iniciativa foi do aluno Carlos Sampaio que, juntamente com Mario Abbondati, Coordenador de Tecnologia da Informação, inscreveu o Bandeirantes no exame.

“É extremamente interessante ver que os alunos mesmo sem nenhuma preparação especial conseguiram excelentes resultados. Vejo têm vontade de vencer desafios propostos e isto é imprescindível para alcançar sucesso profissional”, comentou o Coordenador.